NOTÍCIAS - Cadastro Técnico Federal (CTF)


Cadastro Técnico Federal (CTF)
Publicada em :11/09/2017

Cadastro Técnico Federal (CTF) SERVIÇOS BIODIVERSIDADE EMISSÕES E RESÍDUOS FISCALIZAÇÃO E PROTEÇÃO LICENCIAMENTO AMBIENTAL QUÍMICOS E BIOLÓGICOS ACESSO À INFORMAÇÃO CENTRAL DE CONTEÚDOS  Imagens  Vídeos  Publicações  Legislação  Bibliot

O rio corta três Terras Indígenas e é amplamente usado por índios isolados, segundo monitoramentos da Fundação Nacional do Índio (Funai). A ação foi realizada de 28 de agosto a 1.º de setembro. Equipes do Ibama e do Exército abordaram cinco dragas de grande porte, uma delas localizada próximo ao Solimões. Nenhuma possuía licença ambiental. O MPF acompanhou a ação e recomendou a destruição das dragas, em razão da inviabilidade logística para retirada das embarcações do local. Deixar os bens sob responsabilidade do infrator resultaria na continuidade da prática ilegal, avaliou o MPF. Prevista no Decreto 6.514/2008, a destruição de instrumentos e equipamentos usados para a prática de crimes ambientais resulta na descapitalização dos infratores e evita a continuidade do dano ambiental. De acordo com os autuados, uma draga extrai em média 100 gramas de ouro por dia. Cada embarcação é avaliada em pelo menos R$ 1 milhão. Quatro dragas foram desativadas e a quinta, localizada a jusante do rio, apreendida e deslocada até o porto de São Paulo de Olivença. Neste caso, os autuados foram notificados e deverão apresentar ao Ibama relatório trimestral informando sua localização e evidências de que não foi usada para garimpo ilegal. O Ibama emitiu sete autos de infração, que totalizam R$ 1,05 milhão, duas notificações, onze termos de apreensão e quatro termos de destruição. “A articulação entre as instituições é fundamental para impedir os crimes ambientais”, disse o chefe da Divisão Técnico Ambiental do Ibama no Amazonas, Hugo Loss, que havia identificado aumento da incidência de garimpos na região. O Ibama, o MPF e o Exército realizarão outras operações na região. De acordo com o MPF, foram recebidas denúncias de crimes como prostituição infantil e homicídios. “As instituições estão em sintonia e cada uma possui um papel fundamental. A atividade garimpeira possui alto potencial poluidor e degradador do meio ambiente e baixo retorno social. Além da poluição e degradação ambiental inerente à atividade, o garimpo está associado a condições de trabalho precárias, prostituição, tráfico de entorpecentes e vários crimes relacionados à violência”, disse o procurador da República no município de Tabatinga-AM, Alexandre Aparizi. Com informações do MPF/AM Assessoria de Comunicação do Ibamaimprensa@ibama.gov.br(61)3316-1015


Confira Notícias Relacionadas
- Clima: emergentes estreitam propostas
- Cooperativas do Paraná participam de curso sobre cadastro ambiental rural
- Amazônia legal será exemplo de implantação do Cadastro Rural
- Brasil compensa sete vezes mais a emissão de gases durante a Copa
- Captura do caranguejo-uçá é proibida em 10 estados




O que fazemos Quem somos Multimídia Participe Colaboradores
    Fotos
Vídeos
Papéis de parede
Twitter FaceBookFlickOrkutYoutube Contato
Fique Atulizado Movimento Ambiental online      
Blog
Outros
Twitter
Facebook
Youtube
Orkut
   Ibama Fatma Fundema

© Movimento Ambiental
Rua Nove de Março - 737 - Cep: 89201-400 - Centro - Joinville - SC.
Telefone:(47) 4101-6261 / 4101-7010 
Desenvolvido por: Prof Miguel Silva